O cristão deve julgar? O que diz a Bíblia?

O cristão deve julgar? O que diz a Bíblia?

Será que o cristão não deve julgar? Somos orientados a não julgar o que há de errado? Como seria a igreja hoje, se Martinho Lutero não tivesse julgado a igreja católica com suas 95 teses? Qual seria o destino do cristianismo? Vamos descobrir o que as Escrituras Sagradas nos ensinam sobre isso?

Ponha de lado sua religião e leia com os olhos do entendimento!

  • Não julguem apenas pela aparência, mas façam julgamentos justos (Jo 7:24).

Este é um tema muito polêmico e atormenta a mente de muitos cristãos. Para a maioria, a resposta instantânea é “Não devemos julgar”, ou então “O julgamento pertence a Deus”! Mas, será mesmo? Será que até hoje, não fomos orientados com versos fora de contexto? Neste estudo, descobriremos que, não somente devemos julgar o que está errado, como também, em alguns momentos, chega a ser um mandamento!

Analisando a palavra “julgar” no original:

Antes de tudo, precisamos entender o verdadeiro significado desta palavra no original em grego. O termo “julgar”, no sentido moderno é condenar algo ou alguém. Acontece que no Novo Testamento “julgar” vai muito além do conceito secular de condenar simplesmente! O uso da expressão grega “krino” significa: examinar, comparar, avaliar, distinguir, discernir, separar, decidir, concluir, resolver, deliberar. Ou seja, tudo tem relação com o uso da razão, permitindo-nos avaliar, criticar e formar juízo.

De imediato, podemos afirmar os tipos de julgamentos que não devemos fazer: “Não devemos julgar pela aparência” (Jo 7:24) e “não devemos julgar algo que também cometemos na mesma proporção ou pior” (Mt 7:3-5). Com exceção a estes tipos, o restante é nosso dever julgar.

Vejamos um trecho muito utilizado para dizer que não devemos julgar, mas desta vez, dentro do contexto:

  • “Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós”. (Mt 7:1,2).

Aparentemente, parece dizer que não devemos julgar, quando lemos este trecho isolado. Mas vamos continuar a leitura para o entendimento:

  • E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão (Mt 7:3-5).

Lendo dentro do contexto, já temos uma outra visão. Jesus está criticando pessoas que estão julgando, porém cometem pecados maiores. São hipócritas e por isso veio a crítica! Se cometemos o mesmo pecado (ou algo pior), seremos julgados na mesma medida que julgamos. Note que Ele não diz para não julgar, mas sim, que a pessoa primeiro corrija suas próprias falhas!

Observe abaixo, apenas alguns versículos onde a Bíblia ordena que julguemos:

  • Você julgou bem. (Lc 7:43);
  • Por que não julgais também por vós mesmos o que é justo? (Lc 12:57);
  • Julgai segundo a reta justiça. (Jo 7:24);
  • Para vos envergonhar o digo. Não há, pois, entre vós sábios, nem mesmo um, que possa julgar entre seus irmãos? (1Co 6:5);
  • Julgai vós mesmos o que digo (1Co 10:15);
  • E falem dois ou três profetas, e os outros julguem (1Co 14:29).

Jesus nos ensinou a observarmos os frutos de uma pessoa, lembra? E por meio dos frutos, podemos saber se esta pessoa é ou não de Cristo, certo? Observar os frutos não é um julgamento? E não foi orientado por Cristo?

Agora, vamos analisar o que diz sobre os Falsos Profetas e Falsas Doutrinas:

  • Cuidado com os falsos profetas. Eles vêm a vocês vestidos de peles de ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores (Mt 7:15);
  • Recomendo-lhes, irmãos, que tomem cuidado com aqueles que causam divisões e colocam obstáculos ao ensino que vocês têm recebido. Afastem-se deles. Pois essas pessoas não estão servindo a Cristo, nosso Senhor, mas a seus próprios apetites. Mediante palavras suaves e bajulação, enganam os corações dos ingênuos (Rm 16:17-18);
  • Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te (2Tm 3:5);
  • Irmãos, em nome do nosso Senhor Jesus Cristo nós lhes ordenamos que se afastem de todo irmão que vive ociosamente e não conforme a tradição que receberam de nós (2Ts 3:6);
  • E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as (Ef 5:11).

Não há a menor possibilidade de cumprir nenhum desses versículos se partimos do princípio de “não julgar”. Note neste último citado (Ef 5:11) que somos orientados a condenar obras infrutuosas das trevas. Você conhece alguma forma de condenar sem julgar?

Ainda há muitos outros. Veja:

  • Amados, não creiam em qualquer espírito, mas examinem os espíritos para ver se eles procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo (1Jo 4:1);
  • Porque já muitos enganadores entraram no mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em carne. Este tal é o enganador e o anticristo… Se alguém vem ter convosco, e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis. Porque quem o saúda tem parte nas suas más obras (2Jo 1:7,10-11).

Análise de Romanos 2:1:

Basta começar a falar no tema “julgamento” que muitos se levantam com versículos isolados e, o mais utilizado de todos, é o versículo que será abordado a seguir.

  • Portanto, você, que julga, os outros é indesculpável; pois está condenando a si mesmo naquilo em que julga, visto que você, que julga, pratica as mesmas coisas (Rm 2:1);

Lendo este verso isolado, parece realmente dizer que não devemos julgar. Mas, sabe quem utiliza este trecho desta forma? Pessoas que não têm o menor conhecimento da Palavra ou que não querem seus atos julgados pelos irmãos (principalmente alguns líderes religiosos!).

O contexto do versículo acima começa em Rm 1:18. Confira agora, a análise dentro de contexto:

  • Portanto, a ira de Deus é revelada do céu contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça, pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis; porque, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis e os seus corações insensatos se obscureceram. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos e trocaram a glória do Deus imortal por imagens feitas segundo a semelhança do homem mortal, bem como de pássaros, quadrúpedes e répteis. Por isso Deus os entregou à impureza sexual, segundo os desejos pecaminosos dos seus corações, para a degradação dos seus corpos entre si. Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram a coisas e seres criados, em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém. Por causa disso Deus os entregou a paixões vergonhosas. Até suas mulheres trocaram suas relações sexuais naturais por outras, contrárias à natureza. Da mesma forma, os homens também abandonaram as relações naturais com as mulheres e se inflamaram de paixão uns pelos outros. Começaram a cometer atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão. Além do mais, visto que desprezaram o conhecimento de Deus, ele os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem o que não deviam. Tornaram-se cheios de toda sorte de injustiça, maldade, ganância e depravação. Estão cheios de inveja, homicídio, rivalidades, engano e malícia. São bisbilhoteiros, caluniadores, inimigos de Deus, insolentes, arrogantes e presunçosos; inventam maneiras de praticar o mal; desobedecem a seus pais; são insensatos, desleais, sem amor pela família, implacáveis. Embora conheçam o justo decreto de Deus, de que as pessoas que praticam tais coisas merecem a morte, não somente continuam a praticá-las, mas também aprovam aqueles que as praticam. Portanto, você, que julga, os outros é indesculpável; pois está condenando a si mesmo naquilo em que julga, visto que você, que julga, pratica as mesmas coisas. Sabemos que o juízo de Deus contra os que praticam tais coisas é conforme a verdade. Assim, quando você, um simples homem, os julga, mas pratica as mesmas coisas, pensa que escapará do juízo de Deus”? (Rm 1:18 à Rm 2:3).

Importante:

Lendo todo o contexto fica claro o entendimento de Rm 2:1. Ali diz que, aqueles que julgam, estão condenando a si próprios, por estarem cometendo exatamente os mesmos erros! Este é o verdadeiro sentido deste texto! E outro detalhe: o próprio apóstolo Paulo, não está julgando nesta carta? Aliás, a maioria das cartas escritas pelos apóstolos, continham julgamentos de algo que estava errado.

Talvez você esteja se perguntando do texto de Tg 4:11,12. Afinal, nestes versículos parecem dizer para não julgar! Pois, é! Leia todo o capítulo 4 e verás que é mais um engano daqueles que dizem “Não julgueis”! Neste contexto, Tiago está criticando os hipócritas. Logo nos primeiros versículos, ele já começa falando das guerras, contendas, cobiças, invejas que haviam entre os cristãos judeus. E foi exatamente por este motivo que ele criticou o julgamento! Por hipocrisia! Irmãos que cometiam os mesmos pecados, julgavam os pecados dos outros.

É preciso lembrar também que o joio está crescendo no meio do trigo! Nem todo aquele que diz “Senhor, Senhor” entrará no Reino dos céus (Mt 7:21). Contudo, este “joio” está em nosso meio espalhando falsas doutrinas. É nosso dever julgar segundo a justiça para que tais ensinamentos não se espalhem como suposta “verdade”!

Pois bem, agora sabemos que devemos julgar segundo a reta justiça (não por aparência nem erros que também cometemos)! Como julgar aqueles irmãos que vivem no erro ou no engano? O ponto mais importante é saber que devemos agir sempre no amor! Nada de querer “fulminar” o erro ou o engano de alguém. Não é isso que a Bíblia ensina e precisamos ter em mente que não somos melhores do que ninguém. Tratemos sempre com amor, evidenciando o que a Bíblia diz sobre o assunto.

Para meditar:

Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim (At 17:11).

Nelson Júnior – Portal Pela Fé

facebook.com/portalpelafe

www.portalpelafe.com

Atenção: Cópias do conteúdo deste site (integrais ou parciais) serão permitidas citando o nome do autor e também o link para esta página: www.portalpelafe.com

Adicionar a favoritos link permanente.

8 Comments

  1. Nossa, irmão acho que na verdade usamos mal o termo julgar. Pelo ponto de vista do seu estudo o julgar não é somente permitido mas, também ensinado. Gostei do texto. Muito bom. Fique na Paz irmão!!

    • Nelson Júnior

      É verdade irmã! Eu sempre fui o primeiro a criticar. Então, decidi estudar sobre o assunto (na intenção de provar que não era permitido) e acabei descobrindo exatamente o contrário. Quanto mais me aprofundei no estudo, mais ficou evidente. Isso tranquiliza meu coração, pois tem situações que precisamos evidenciar o erro. Agora estou com o coração tranquilo. A paz do Senhor, querida irmã!

  2. Carolina Bonfá

    Era tudo que eu precisava, prezado!
    Impressionante a clareza da informação.
    Confesso que não tinha esta ideia e até criticava quem efetuasse julgamentos. Vivendo e aprendendo.

    • Nelson Júnior

      É verdade, minha irmã! Até pouco tempo atrás eu não conhecia esta verdade. Me aprofundei no estudo e descobri que é nosso dever julgar as falsas doutrinas e falsos profetas. Pelo menos tranquiliza nosso coração quando tivermos que refutar algo de errado. A paz do Senhor, minha irmã!

  3. Glauber Mor Aziz

    Paz todos.
    Eu saber nunca esse. Esse muito sentido faz nós todos. Eu ler dois vezes. Obrigado revelar este nós todos.

    • Nelson Júnior

      Olá meu irmão!! A Paz do Senhor!
      Fico feliz por contribuir de alguma forma. Toda honra e toda glória sejam dadas ao Senhor Jesus. Fique na Paz, irmão.

  4. flavio antonio hermenegildo

    Glórias a Deus irmão,tem muitos pastores que se exaltam por ter feito teologia,mais o que adianta vc ter tudo isso e muito mais se não tiver o principal o AMOR,não vale de nada né.
    Dai de graça o que recebestes de graça.
    Que o Senhor te abençoe vc e nos com sabedoria, entendimento e discernimento grandemente .fica na Paz irmão.

    • Nelson Júnior

      Amém, meu irmão! Concordo com você! O principal é o amor. Essa é a essência do que Cristo nos ensinou. Fique na Paz e agradeço por dar sua rica contribuição neste espaço.

Deixe um comentário