Divergência entre Paulo e Tiago! Existe?

Divergência entre Paulo e Tiago! Existe?

As Escrituras afirmam que somos justificados pela fé. Contudo, algumas pessoas acreditam ter certa divergência entre o ensino contido nas cartas de Paulo acerca da justificação, com o que foi ensinado por Tiago em sua carta. Vamos verificar?

O que diz nas epístolas de Paulo? Veja alguns exemplos:

  • Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado. Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas; Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que creem; porque não há diferença (Rm 3:20-22);
  • Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei (Rm 3:28);
  • Visto que Deus é um só, que justifica pela fé a circuncisão, e por meio da fé a incircuncisão (Rm 3:30);
  • Pois, que diz a Escritura? Creu Abraão a Deus, e isso lhe foi imputado como justiça. Ora, àquele que faz qualquer obra não lhe é imputado o galardão segundo a graça, mas segundo a dívida. Mas, àquele que não pratica, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada como justiça (Rm 4:3-5);
  • Porque a promessa de que havia de ser herdeiro do mundo não foi feita pela lei a Abraão, ou à sua posteridade, mas pela justiça da fé. Porque, se os que são da lei são herdeiros, logo a fé é vã e a promessa é aniquilada (Rm 4:13,14);
  • Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo (Rm 5:1);
  • Sabendo que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo, temos também crido em Jesus Cristo, para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei; porquanto pelas obras da lei nenhuma carne será justificada (Gl 2:16);
  • E é evidente que pela lei ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé (Gl 3:11).

O que diz na epístola de Tiago? Confira abaixo:

  • Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo? E, se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento cotidiano, E algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí? Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma. Mas dirá alguém: Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras. Tu crês que há um só Deus; fazes bem. Também os demônios o creem, e estremecem. Mas, ó homem vão, queres tu saber que a fé sem as obras é morta? Porventura o nosso pai Abraão não foi justificado pelas obras, quando ofereceu sobre o altar o seu filho Isaque? Bem vês que a fé cooperou com as suas obras, e que pelas obras a fé foi aperfeiçoada. E cumpriu-se a Escritura, que diz: E creu Abraão em Deus, e foi-lhe isso imputado como justiça, e foi chamado o amigo de Deus. Vedes então que o homem é justificado pelas obras, e não somente pela fé. E de igual modo Raabe, a meretriz, não foi também justificada pelas obras, quando recolheu os emissários, e os despediu por outro caminho? Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta (Tg 2:14-26).

Com base nos versículos acima, você diria ter realmente contradição entre os ensinos? Sabemos que ambos escreveram sob a inspiração do Espírito Santo e, sendo assim, essa hipótese não existe! A intenção foi combater pensamentos equivocados e extremos!

Para descartarmos totalmente a possibilidade de uma divergência entre ambos, precisamos olhar para o contexto em que as cartas foram escritas e a natureza das pessoas para as quais foram destinadas:

Paulo escreveu com o intuito de combater o legalismo. Naquela época, muitos procuravam fundamentar nas obras da lei mosaica, a própria justificação. Por este motivo, ele expõe a grande promessa do Criador contida em Gn 15:6, quando afirma na epístola aos Romanos 4:3-5 que, Abraão creu no Senhor, e isso lhe foi imputado como justiça. Ele ainda salienta que, ao que trabalha, o salário não é considerado um favor, mas sim, uma dívida. Enquanto isso, ao que não trabalha, contudo crê naquele que justifica ao ímpio, a sua fé lhe é atribuída como justiça.

Tiago, porém, escreveu com intenção de refutar o antinomianismo (pessoas contrárias à lei). Eles afirmavam ter fé, mas não tinham nenhum compromisso com as boas obras. Para essas pessoas, Tiago fez questão de lembrar que, a fé sem obras é morta. Note que ele também cita Abraão, quando alega que sua fé cooperou com suas obras, sendo por meio delas, a fé aperfeiçoada (Tg 2:22). O foco deste relato é que as boas obras de Abraão não foram feitas para obter salvação, mas sim, como um homem salvo, demonstrou por meio de ações, uma justificação verdadeira!

Como foi dito no início deste estudo, segundo as Escrituras, somos justificados pela fé! Todavia, esta fé que justifica, deve ser frutífera, genuína e se manifestar em boas obras! Não para sermos salvos, mas sim, porque somos salvos! Portanto, não existe nenhuma divergência entre os dois autores que escreveram divinamente inspirados!

Para meditar:

A vida do verdadeiro cristão deve evidenciar o amor ao próximo, todavia, um amor demonstrado em ações e não apenas por palavras.

Nelson Júnior – Portal Pela Fé

facebook.com/portalpelafe

www.portalpelafe.com

#PortalPelaFé

Atenção: Cópias do conteúdo deste site (integrais ou parciais) serão permitidas citando o nome do autor e também o link para esta página: www.portalpelafe.com

Adicionar a favoritos link permanente.

12 Comments

  1. Armando Amadeu

    Eu realmente ficava em dúvida neste ponto. Agradeço por este estudo esclarecedor. Paz.

    • Nelson Júnior

      Olá, meu irmão! Que bom que sua dúvida foi sanada! Agradeço por suas constantes participações!Fique com Deus!

  2. Alaíde Feitosa

    Oh glóriaaaaaa! Que bênção!

  3. Que a cada dia possamos nos espelhar no nosso único Salvador, para que com seu exemplo de Fé e Obras sejamos exemplos para outros cristãos adormecidos e seguir rumo ao galardão.

  4. Muito bom amei essa explicação ….. muito esclarecedora…. Deus abençoe

  5. Maiara Miranda

    Muito bom.

  6. Ivan Caetano Mariano Xavier

    Graças e paz irmão em cristo Jesus.
    Estou com uma duvida.
    Quem sou eu.
    Fui servo do sumo sacerdote Caifás;
    tive a orelha cortada por Pedro.
    Minha duvida é não encontrei na Bíblia a resposta.(Malco)para poder me aprofundar no assunto,desde já fico agradecido pela sua ajuda.Fica na Paz do nosso Deus.

    • Nelson Júnior

      Boa noite, irmão! Graça e Paz! O versículo que informa o nome do servo do sumo sacerdote Caifás é o seguinte: “Então Simão Pedro, que tinha espada, desembainhou-a, e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. E o nome do servo era Malco” (Jo 18:10). Este texto é contado nos outros Evangelhos também, porém, somente João menciona o nome dele. Caso queira acompanhar também nos outros Evangelhos, eis os textos: Mt 26:51 – Mc 14:47 – Lc 22:50. Fique com Deus!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *